O Oscar vem perdendo cada vez mais audiência nos Estados Unidos, e a promessa para a 89ª edição é uma revitalizada, para tentar interagir com um público mais jovem.





Dá para perceber certas mudanças desde a maneira como o anúncio dos indicados desse ano foi realizado. Normalmente, o anúncio é ao vivo, leva de 25 a 30 minutos, e é feito sobre um palco - celebridades de Hollywood sobem ao palco e anunciam calmamente cada categoria.

Dessa vez, preferiram um estilo mais rápido: convidaram vários atores famosos para discursarem brevemente, e anunciaram até duas categorias de uma vez, em um vídeo gravado de 12 minutos. Interessante notar que entre os atores convidados, estão representadas minorias sociais, provando que o Oscar está aberto para representatividade.


Agora vamos comentar um pouco de cada categoria, começando pelos prêmios técnicos, depois partimos para os prêmios artísticos.

Melhor Fotografia


Bradford Young - A Chegada
Linus Sandgren - La La Land: Cantando Estações
Greig Fraser - Lion: Uma Jornada para Casa
James Laxton - Moonlight: Sob a Luz do Luar
Rodrigo Prieto – Silêncio

Pela primeira vez, temos um diretor de fotografia negro indicado para o Oscar: Bradford Young, por “A Chegada”. E por mais que eu queira que “Silêncio”, do Martin Scorsese, leve para casa pelo menos uma estatueta, é muito provável que “A Chegada” ou “La Land: Cantando Estações” fique com esse prêmio.

Melhor Canção Original


"Audition (The Fools Who Dream)" | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul - La La Land: Cantando Estações
"Can't Stop the Feeling" | Música e canção de Justin Timberlake, Max Martin e Karl Johan Schuster - Trolls
"City of Stars" | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul - La La Land: Cantando Estações
"The Empty Chair" | Música e canção de J. Ralph e Sting - Jim: The James Foley Story
"How Far I'll Go" | Música e canção de Lin-Manuel Miranda - Moana: Um Mar de Aventuras

Esse é o ano de “La La Land: Cantando Estações”. E nessa categoria, ele está indicado duas vezes! "Audition (The Fools Who Dream)" é linda, mas é óbvio que quem vai levar o prêmio é a queridinha "City of Stars".


Melhores Efeitos Visuais


Craig Hammack, Jason Snell, Jason Billington e Burt Dalton - Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
Stephane Ceretti, Richard Bluff, Vincent Cirelli e Paul Corbould - Doutor Estranho
Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones e Dan Lemmon - Mogli: O Menino Lobo
Steve Emerson, Oliver Jones, Brian McLean e Brad Schiff - Kubo e as Cordas Mágicas
John Knoll, Mohen Leo, Hal Hickel e Neil Corbould - Rogue One: Uma História Star Wars

Essa categoria sempre teve espaço para os grandes blockbusters. Temos esse ano Marvel e Star Wars concorrendo. 
Interessante notar que pela primeira vez um filme de animação também esteja nessa categoria. A equipe de “Kubo e as Cordas Mágicas” utilizou uma técnica que mistura animação em stop motion com animação computadorizada, o que rendeu a indicação. 
Mas o grande vencedor, é claro, será “Mogli: O Menino Lobo”. Até hoje não acredito que um fundo verde foi capaz de gerar criaturas tão reais.

Melhor Maquiagem e Cabelo


Eva Von Bahr e Love Larson - A Man Called Ove
Joel Harlow e Richard Alonzo - Star Trek: Sem Fronteiras
Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson - Esquadrão Suicida

Se formos tirar algo de realmente bom de “Esquadrão Suicida” tem que ser a maquiagem. E talvez seja o único filme de super-herói com chances de ganhar uma estatueta. Mas pode ser que prefiram entregar o prêmio para “Star Trek: Sem Fronteiras”, em celebração aos 50 anos da série.

Melhor Animação


Kubo e as Cordas Mágicas
Moana: Um Mar de Aventuras
Minha Vida de Abobrinha
A Tartaruga Vermelha
Zootopia: Essa Cidade é o Bicho

As animações esse ano estão impecáveis. Studio Ghibli ressurge das cinzas numa coprodução francesa, “A Tartaruga Vermelha”. Disney lançou duas produções. E o favorito é “Zootopia: Essa Cidade é o Bicho”. Não vai ter para ninguém.

Melhor Ator


Casey Affleck - Manchester à Beira-Mar
Andrew Garfield - Até o Último Homem
Ryan Gosling - La La Land: Cantando Estações
Viggo Mortensen - Capitão Fantástico
Denzel Washington - Um Limite Entre Nós

É provável que “La La Land: Cantando Estações” desbanque aqui também, embora o papel de Ryan Gosling não exija tanto de sua atuação. Ainda não assisti as outras performances, então nessa categoria estou igual Gloria Pires.

Melhor Atriz


Isabelle Huppert - Elle
Ruth Negga - Loving
Natalie Portman - Jackie
Emma Stone - La La Land: Cantando Estações
Meryl Streep - Florence: Quem é Essa Mulher?

Antes de tudo: cadê Amy Adams? Se “A Chegada” merecia alguma atenção, teria que ser pela presença dela. O filme inteiro é carregado por Amy, e a coitada foi totalmente esnobada! O pior foi ter colocado Meryl Streep pela vigésima vez, quebrando seu próprio recorde. Meryl já está satisfeita com suas três estatuetas, e em “Florence: Quem é Essa Mulher?” seu papel é muito confortável.
 
Outro recorde, que Amy Adams está quase alcançando, é a quantidade de vezes que foi indicada e nunca recebeu nada. Esse ano, nem indicada ela conseguir ser.
Enfim... Depois desse desabafo, voltemos aos comentários. Emma Stone é a dona de “La La Land: Cantando Estações”, portanto minhas apostas vão para ela. Mas mesmo sem ter visto a atuação de Isabelle Huppert em “Elle”, essa mulher merecia o prêmio pela sua cinematografia. É uma atriz foda, que já trabalhou com os melhores diretores, e ainda continua fazendo trabalhos impecáveis.


Melhor Diretor


Denis Villeneuve - A Chegada
Mel Gibson - Até o Último Homem
Damien Chazelle - La La Land: Cantando Estações
Kenneth Lonergan - Manchester à Beira-Mar
Barry Jenkins - Moonlight: Sob a Luz do Luar

Quem diria que Mel Gibson voltaria para Hollywood? “Até o Último Homem” foi bem recebido pela crítica internacional, e garantiu espaço nas categorias principais. 
Nomes famosos como Clint Eastwood, de “Sully”, e Martin Scorsese, de “Silêncio”, não apareceram, deixando a vaga para diretores em ascensão. Se Damien Chazelle ganhar aqui, não vai ser surpresa.

Melhor Filme


A Chegada
Até o Último Homem
Estrelas Além do Tempo
Lion: Uma Jornada para Casa
Moonlight: Sob a Luz do Luar
Um Limite Entre Nós
A Qualquer Custo
La La Land: Cantando Estações
Manchester à Beira-Mar

E para encerrar a noite, a 89ª edição do Oscar vai carimbar “La La Land: Cantando Estações”, como um dos grandes vencedores de todos os tempos. Isso porque o filme presta homenagem para vários símbolos importantes da indústria cinematográfica. 
E diferente dos anos anteriores, quando a Academia sempre colocava um filme popular para garantir a torcida de fãs, a preocupação aqui foi outra. Não teve nem espaço para “Deadpool”. 
Mas é legal acompanhar a premiação justamente para conhecer filmes novos, que nunca chegariam ao ouvido do público se não fosse dessa forma.

ABAIXO, O CALENDÁRIO DE ESTREIAS DOS FILMES CITADOS.


A Qualquer Custo (02 de fevereiro)

Jackie (02 de fevereiro)

Minha Vida de Abobrinha (02 de fevereiro)

Estrelas Além do Tempo (02 de fevereiro)

Silêncio (9 de fevereiro)

Lion - Uma Jornada para Casa (16 de fevereiro)

Moonlight - Sob a Luz do Luar (23 de fevereiro)

Até o Último Homem (26 de janeiro)

Loving (sem previsão de estreia)

Um Limite Entre Nós (sem previsão de estreia)

A Tartaruga Vermelha (sem previsão de estreia)



Algumas produções estão passando em cinemas selecionados; outras já saíram de cartaz.

Para quem você está torcendo? Qual está esperando ansiosamente para que chegue no Brasil? Comenta aqui em baixo.

Deixe um comentário

Vai sair sem deixar um recadinho?
Não faz isso não, sua opinião é muito importante.